Óleo de coco é o mais novo vilão

Postado em

Ele está naquela categoria dos chamados “superalimentos”, que volta e meia surgem como uma resposta mágica a todas as suas perguntas. O consumo de óleo de coco, na teoria, possui benefícios como melhorar o sistema imunológico, aumenta o metabolismo e ajuda na prevenção de diversas doenças, além da característica que o tornou mais famoso: capacidade de ajudar a perder peso rapidamente.

Porém, uma pesquisadora e professora chamada Karin Michels, epidemiologista da Escola de Saúde Pública da Universidade de Harvard quebrou a internet há poucos dias por conta de uma palestra, onde afirma que o óleo seria “veneno puro”. O argumento dela pra essa afirmação tão forte é a quantidade altíssima de gordura saturada do produto. Para você comparar, 86% do óleo é formado por gordura saturada pura, enquanto a manteiga possui 51% e a banha de porco, 39%.

A gordura saturada é um grande problema por aumentar os níveis de colesterol ruim, o que pode causar obstrução de veias e aumentar o risco de doenças cardiovasculares, como infarto ou AVC. A especulação é que essa gordura seja melhor do que a de outros alimentos, não sendo tão prejudicial à saúde quanto parece, mas nenhuma pesquisa comprova isso ainda.

Usar óleo de coco pra hidratar o cabelo? Está liberado! Mas o consumo… Melhor é substituir por gorduras insaturadas, que estão presentes no óleo vegetal, azeite de oliva e óleo de girassol, por exemplo. E outra observação feita pela professora de Harvard é de não ser alguém ingênuo e se deixar levar por modinhas. A sua saúde e segurança do seu corpo vem em primeiro lugar, por isso a importância de estar sempre muito bem informado.

 

 

 

 

 

 

 

Créditos: Africa Studio/ Shutterstock

  • Compartilhar

0 Comentários

Deixe um comentário

Seu e-mail não ficará visível.